2.10.07

da pimenteira

se não regar, murcha.
ali, no cantinho, onde não pega sol, então... murcha e fica amarela.
e se não falar com ela, ó, murcha também.

se o silêncio é carregado ela toma pra si todas as palavras não ditas. por ela, inclusive. ela as guarda. aguarda. não agüenta o peso. e murcha com ele nas costas.

passa. olha. rega. mecânico. amanhã tem mais.
ela quer mesmo é se afogar e dar pimentas. muitas pimentas vermelhas. bonitas. brilhantes.
e ardidas a gosto.

Um comentário:

fabio issao disse...

Obrigado, querida, por conscientizar-me e trazer de volta a simplicidade das coisas como são, que eu esteja mais atento de agora em diante e que a pimenteira possa brilhar de novo com todo o vigor de quando chegou por aqui.